Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Questão 3 - Exame de Suficiência CFC 2018.1 - Venda de Mercadorias

Prova branca do Exame de Suficiência CFC 2018.1

Em 06/11/2017, uma Sociedade Empresária vendeu mercadorias para revenda com as seguintes condições de pagamento:

  • 60% do valor da venda foi recebido à vista, em dinheiro. 
  • o restante do valor da venda foi a prazo, com parcelamento em três prestações mensais, iguais e consecutivas de R$ 300,00 com a primeira prestação devendo ser quitada um mês após a venda. 

Informações adicionais: 


  • a Sociedade Empresária exigiu o pagamento de 1,2% ao mês de taxa de juros compostos na fatia que representa a venda parcelada. 
  • o Custo das Mercadorias Vendidas na transação de venda foi R$ 878,82. 

Com base nas informações apresentadas e desconsiderando-se a incidência de impostos, assinale os lançamentos contábeis que refletem corretamente o registro da venda realizada pela Sociedade Empresária em 06/11/2017. Admita que os lançamentos contábeis foram efetuados com valores aproximados e que a Sociedade Empresária adota o mês comercial de 30 dias em suas vendas parceladas.


Solução:

A questão trata de uma venda de mercadorias com parte do recebimento a vista e parte a prazo. 

No seu enunciado diz que 60% do valor da venda foi recebido à vista, em dinheiro. Diz também que o restante foi em três prestações de R$ 300,00, com a primeira parcela 1 mês após a venda e que, para vendas parceladas, a empresa cobra 1,2% de juros sobre o valor restante a receber.

Nesse caso, para se calcular qual o valor cheio da receita e quanto equivalerá esses 60% a vista e os 40% a prazo, não se pode imaginar que esses R$ 900,00 parcelados já seriam os 40%, pois, diferentemente de casos em que o prazo de pagamento da parcela venceu e a partir desse vencimento é que se aplicaria a taxa de juros, aqui, conforme relato, essas parcelas de R$ 300,00 já estão contemplando a taxa de 1,2%, e se não fosse isso, essa parcela seria menor.

Dessa forma, antes de se encontrar o valor da receita cheia e aplicar os 60% a vista, que irão para o caixa, é necessário trazer o valor parcelado, a Valor Presente.

Valor presente do saldo restante.

Pode ser por parcela, sendo uma de cada vez, conforme seu tempo e depois realizando sua soma:

I - PV = 300 / (1+ 0,012)1 = 296,44
II - PV = 300 (1+ 0,012)2 = 292,93
III - PV = 300 (1+ 0,012)3 = 289,45

I + II + III = 878,82 (Valor presente referente às três parcelas = 40% do valor da venda)

Na HP 12 C seria para a primeira parcela:
300 <CHS> e <FV>
1,2 <i>
1   <n>
<PV> Vai aparecer no visor 296,44

Repetir os mesmos passos para as parcelas 2 e 3, sendo que, para seu tempo, antes de digitar o <n> deve digitar 2 para a segunda parcela e 3 para a terceira parcela.

Ou ainda, de uma única vez, pela fórmula do cálculo da parcela em financiamento.

Como vamos procurar pelo PV das parcelas referente ao saldo restante da dívida, o numerador inverte com o denominador no segundo membro.

PV = PMT . [(1 + i )-1 /  i . (1 + i )n]
PV = 300 . [(1 + 0,012 )-1 /  0,012 . (1 + 0,012 )3]
PV = 300 . [(1,012 )-1 /  0,012 . (1,012 )3]
PV = 300 . [(1,036433728 ) -1 /  0,012 . (1,036433728 )]
PV = 300 . [0,036433728 / 0,012437204736]
PV = 300 . [2,92941450859461]
PV = 878,82
  
Na HP 12 C:

300 <CHS> <PMT>
1,2  <i>
3   <n>
<PV> Vai aparecer no visor 878,82

Esse seria o valor restante se não fosse embutido nele 1,2 % ao mês.

Mesmo que esse valor, coincidentemente seja igual ao valor citado como custo, não devemos nos deixar confundir, haja visto que calculamos aqui, o Valor Presente do somatório das parcelas que a empresa terá a receber de cliente.

Já o valor de custo (CMV), ele já se apresenta corretamente lançado em todas as alternativas, ou seja, a débito, no resultado (CMV) e a crédito, saindo dos estoques de mercadorias.

Ou seja, já sabemos que houve juros embutidos nas parcelas no valor de R$ 21,18 (900 - 878,82), e esse já é um valor a ser registrado, como juros a apropriar, quando do recebimento de cada parcela. Dessa forma já poderiam ser descartadas as alternativas B e C.

Calculando a Receita cheia 

Já sabemos que os 40% no presente, data zero, equivalem a 878,82 do total.

X = 0,6X + 878,82
X - 0,6X = 878,82
0,4X = 878,82
X = 878,82 / 0,4
X = 2.197,05

Ou seja, Receita igual a R$ 2.197,05. (esse é outro lançamento)

Calculando valor referente aos 60% a vista

2.197,05 * 60  = 1.318,23 (a ser lançado a débito no caixa ou banco)
                 100

Assim, teremos os seguintes lançamentos:
D Caixa..........................................1.318,23 (recebimento a vista)
D Duplicatas a Receb.......................900,00 (Já incluso os Juros)
C Receita (conta de Resultado).....2.197,05
C Juros a apropriar (ativo)................21,18 (indo a resultado conforme recebimento).

Esses juros a apropriar registrados no ativo circulante é uma conta retificadora da conta duplicatas a receber, que registra R$ 900 na data 06/11/2017, mas que era mesmo de R$ 878,82 (regime de competência).

E também os outros lançamentos, relativos ao custo da mercadoria vendida (CMV), devendo creditar estoques e como contra partida, debitar no resultado a conta referente ao custo de mercadorias vendidas.

D (CMV) Custo das Mercadorias Vendidas (conta de resultado)....878,82
C Estoque de mercadorias (ativo)....................................................878,82

Alternativa A

Devido a questões como essa, principalmente no cálculo do valor presente, é que se deve ter no momento da prova, uma calculadora, de preferência HP 12C.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares