Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos

domingo, 10 de junho de 2018

Termos empregado em contabilidade para CAPITAL ou RECURSOS

Termos empregado em contabilidade para CAPITAL ou RECURSOS pode ter muitos desdobramentos, conforme a escrituração em cada empresa.

Capital Próprio –  recursos (financeiros ou materiais) dos proprietários (sócios ou acionistas).

Capital de Terceiros – recursos (financeiros ou materiais) de outras pessoas, estranhas à
empresa (física ou jurídicas).

Capital Nominal ou Capital Declarado – há inicialmente os recursos investidos na empresa pelos proprietários, sendo contabilmente definido dessa maneira.

Capital subscrito – recursos que os sócios ou acionistas se comprometem a entregar (investir) para a empresa. É no momento do contrato social  (no BOLETIM DE SUBSCRIÇÃO), após a assinatura dos sócios (ou acionistas) que esse compromisso é formalizado.

Capital Integralizado ou Capital Realizado – após a subscrição de capital, os sócios (ou acionistas) cumprindo o contrato firmado (no ato da subscrição), entregando dinheiro ou outros bens à empresa, estarão aí integralizando capital, que é registrando numa conta dentro do Patrimônio Líquido chamada de Capital Integralizado ou Capital Realizado.

Capital a Integralizar ou Capital a Realizar – é o que falta a ser integralizado daquele capital comprometido (subscrito) pelos sócios (ou acionistas). Esse capital a integralizar reduz o capital subscrito.

Capital Autorizado – previsto em estatuto para futuras subscrições de capital (devendo observar o limite no estatuto) sem a necessidade de alteração estatutária. Nesse caso, estamos a falar de S/As, empresas com capital constituído por ações (sociedades por ações).

Capital Total à Disposição da Empresa – somatório do CAPITAL próprio com o CAPITAL DE
TERCEIROS, podendo também aparecer como RECURSOS TOTAIS.

Capital Aplicado – é o  ATIVO TOTAL, figurando do lado esquerdo do Balanço Patrimonial (são as aplicações do recursos que se originaram do PASSIVO e também pode posteriormente, ganhos que a empresa teve, serem também investidos/reinvestidos no ativo).

Capital Imobilizado – corresponde ao ATIVO PERMANENTE IMOBILIZADO, destinados a manter a atividade operacional da empresa.

Capital Fixo –  ATIVO PERMANENTE TOTAL, não tendo destinação nenhuma para venda, devendo mesmo vir a garantir a atividade operacional da empresa, implicando dizer que esse tipo não pode estar sujeito a movimentações frequentes, como é o caso daqueles produtos ou mercadorias em estoques para venda.


Nessa figura temos os ativos do lado esquerdo e os passivos do lado direito. Lembrando que o Patrimônio Líquido faz parte do passivo, porém, não é um passivo exigível em datas conhecidas.

Nos dois lados deve haver o mesmo valor, que no caso, 700. Tanto dentro doas ativos circulantes e não circulantes, assim como nos passivos circulante e não circulante há várias contas que recebem os lançamentos (valores), mas, para exemplo aqui, basta seus valores totais.

Veja que se pegarmos os 700 do total do ativo e subtrairmos os 450 do total de passivos exigíveis teremos 250. Esse seria o valor residual dessa diferença e o qual se pode dizer que é o Patrimônio Líquido.

Então, foram escritas algumas contas dentro do PL para explicar um pouco o que acontece. Veja que no exemplo, houve um capital subscrito de 400, mas, falta ainda ser integralizado o valor de 150. Acontece que o capital que falta ser integralizado reduz o capital subscrito e por isso, o Capital Social é de 250 (Capital Social = Capital subscrito - capital a integralizar = 400 - 150 = 250).

Veja uma vídeo aula de uma questão do Exame de Suficiência CFC 2017.2 - Integralização de capital, que explica sobre essa integralização de capital
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares