Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Perda por redução ao valor recuperável complementar

A questão 5 do exame de Suficiência para bacharel em Ciências Contábeis 2015.2 trata de Perda por redução ao valor recuperável complementar.


Para essa base de resolução, além da NBG TA 27 - Ativo Imobilizado, foi observada também a NBC TG 01 – REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS.


5. Uma Sociedade Industrial, ao analisar um determinado Ativo Imobilizado, identificou as seguintes evidências, em 31.12.2014:


Informações
Valor líquido de venda R$ 2.040.000,00
Valor em uso R$ 2.000.000,00
Saldos contábeis:
Valor contábil bruto – custo de aquisição  R$ 3.200.000,00
Depreciações acumuladas  R$ 800.000,00
Perda estimada em valor não recuperável R$ 240.000,00

De acordo com a NBC TG 27 (R2) – Ativo Imobilizado, a perda por redução ao valor recuperável complementar a ser reconhecida no resultado, ao final do período de 2014, é de:

a) R$120.000,00.
b) R$240.000,00.
c) R$1.040.000,00.
d) R$1.200.000,00.


Resolução:

Redução ao valor recuperável de ativos

“63 - Para determinar se um item do ativo imobilizado está com parte de seu valor irrecuperável, a entidade aplica a NBC TG 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos. Essa Norma determina como a entidade deve revisar o valor contábil de seus ativos, como determinar o seu valor recuperável e quando reconhecer ou reverter perda por redução ao valor recuperável”.

Nesse vamos ver o que diz a NBC TG 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos.

Valor recuperável e valor contábil de unidade geradora de caixa

“74. O valor recuperável de uma unidade geradora de caixa é o maior valor entre o valor justo líquido de despesas de venda e o valor em uso. Para o propósito de determinar o montante recuperável de uma unidade geradora de caixa, qualquer referência a “um ativo”, constante dos itens 19 a 57 deve ser lida como referência a “uma unidade geradora de caixa”.

O valor recuperável é aquele maior entre o valor líquido de venda e o valor em uso.

Para se saber a perda devemos comparar o valor contábil e o valor recuperável, que é o que foi registrado e o quanto deveria ter de fato na contabilidade.

Então, ainda que se tenha alí uma perda estimada de de R$ 240.000, devemos ao final do exercício observar mais alguma perda complementar. 

Assim, devemos primeiro observar o valor contábil líquido desse ativo.

Saldos contábeis:
Valor contábil bruto – custo de aquisição 
R$ 3.200.000,00
Depreciações acumuladas 
R$ (800.000,00)
Perda estimada em valor não recuperável
R$ (240.000,00)
Valor Contábil Líquido
 R$ 2.160.000,00

Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos
Valor Contábil Líquido = R$ 2.160.000,00.

Agora, vamos procurar o valor recuperável desse bem.

Como o valor recuperável é o maior entre o valor líquido de venda (valor justo líquido das despesas de venda) e o valor em uso, então, destes, o maior é o valor líquido de venda, R$ 2.040.000.

Sendo assim, a perda complementar será a diferença entre o valor contábil líquido e o valor recuperável (valor líquido de venda).

Depreciações acumuladas 
R$ 2.160.000.000
Perda estimada em valor não recuperável
R$ (2.040.000,00)
Perda complementar
 R$ 120.000,00

Letra "a"
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares