Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Função Custo de Produção

Daremos início agora com o entendimento sobre Custo Fixo, Custo Variável, Custo Total, Função Custo Total e Custo Médio.

CUSTOS


Para se administrar uma empresa, é essencial que se tenha conhecimento de custo, não importando se essa empresa é de pequeno, médio ou grande porte.

O conhecimento assim como também a arte de administrar são fatores indispensáveis para uma empresa alcançar seus objetivos dentro de um mercado altamente competitivo como o que vemos nos dias de hoje.

De onde surgem os custos de uma empresa?

São resultados de uma série de fatores, tais como: a capacitação tecnológica e produtiva relativa aos processos, produtos e gestão; nível de atualização da estrutura organizacional e a qualificação da mão de obra.

CUSTOS FIXOS


Os custos fixos, indicados por CF são aqueles não dependem da quantidade produzida, por exemplo, aluguel, seguro, etc.
Função-Custo-CUSTOS-FIXOS


Obs.: O gasto é dito fixo, se observado o intervalo de produção da empresa, ou seja, quando do planejamento, foi calculado os gastos para instalação da empresa e para produzir uma quantia “X” unidades, por exemplo, 2.000 unidades.

Então, o custo fixo permanecerá o mesmo somente enquanto a empresa tiver produzindo de “0” unidades até 2.000. Se passar de 2.000 unidades, já estaria ultrapassando a capacidade de produção dessa empresa e, nesse caso, ela teria que rever novamente a questão dos gastos fixos.

CUSTOS VARIÁVEIS


O custo variável, indicado por Cv é aquele custo que depende de x, ou seja, conforme a quantidade se altere, haverá variação desse custo.

Função-Custo-Custos-variáveis



Perceba que, conforme haja aumento na quantidade produzida, o custo aumentará.

FUNÇÃO CUSTO C(X)

Supomos que “x” seja a quantidade de um produto a ser produzida. Para calcularmos o custo de uma produção, usamos a fórmula da figura ao lado. O detalhe é que o custo total de produção depende de x, ou seja, de sua quantidade, que pode variar. À relação entre o custo total e esse “x”, chamamos de função custo total, representada por C(x).

Exercício: 1)

Para exemplificar, vamos supor que o custo fixo mensal de fabricação de um produto seja de R$3.000,00 e o custo variável por unidade seja de R$ 9,00. 

Então, olhando para a fórmula da função custo total da figura abaixo, vamos pegar os dados do problema e substituir na fórmula:


C(x) = 9x + 3.000
Função-Custo-O-gasto-fixo-é-de-3.000


Percebemos custo o fixo no gráfico e que, a partir dele, começa a se elevar o valor do custo total, quando começa-se a produzir. Perceba também que o gráfico não inicia no ponto zero, pois, ante de começar a produzir, já existia um gasto fixo e dele que parte o gráfico.

Trabalhando com o mesmo exercício anterior, onde dizia o seguinte; supondo que o custo fixo mensal de fabricação de um produto seja de R$3.000,00 e o custo variável por unidade seja de R$ 9,00. Qual o Custo para produzir 1.000 unidades?

C(X) = 9 . 1000 + 3.000
C(X) = 9.000 + 3.000
C(X) = 12.000

Perceba que o “x” foi substituído pelo valor da quantidade perguntada no problema. Assim foi possível sabermos o custo da produção e, conforme a quantidade produzida for aumentando, também irá aumentando o custo total e vice versa.
A função trabalhada acima é uma função do 1º grau, uma função afim e como toda função afim ou função do primeiro grau, o gráfico é uma reta.

Função Custo Médio


Para se obter o custo médio devemos dividir o C(X), custo total envolvido na produção, pelo número de unidades produzidas.

C(x) / X

Vejamos o exemplo:

1)Se na fabricação de um produto, apresenta-se um custo fixo mensal de R$3.000,00 e, sendo o custo variável por unidade de R$9,00, que custo médio do produto teremos quando a produção for de 300 unidades?

Resposta: Primeiro temos que calcular o custo total

C(X) = 9 . 300 + 3.000
C(X) = 2.700+ 3.000
C(X) = 5.700

Agora, para sabermos o custo médio, utilizamos os dados que já temos do custo total e da quantidade de unidades produzidas, substituído-os na fórmula abaixo:

C(X) = C(x) / x
C(m) = 5.700 / 300
C(m) = 19

Esse custo médio poderá diminuindo se a empresa produzir mais unidades. Isso se deve ao fato de que quanto mais unidades forem produzidas, aquele custo fixo vai sendo “absorvido”.

Para verificar o que foi dito acima, vamos fazer o mesmo exercício, porém, alterando para 1.000 unidades, a nossa produção.

Custo fixo = R$ 3.000 ;
Valor da uni =R$ 9,00;
Quantidade produzidas = 1000

Primeiro calculamos o custo total:

C(X) = 9 . 1000 + 3.000
C(X) = 9.000 + 3.000
C(X) = 12.000

Agora vamos calcular o custo médio:

C(m) = 12.000 / 1.000
C(m) = 12

Perceba que ao produzir mais unidades, o valor médio caiu de R$ 19 para R$ 12, pois, com mais quantidades produzidas, mais o custo fixo embutido vai sendo “absorvido”.

Porém, não esqueçamos que cada empresa tem a detalhada a sua capacidade de produção, ou seja, esse aumento de unidades produzidas, poderá ir até aquela capacidade da empresa, já orçada em períodos anteriores.
Praticando:

Questão do exame de Suficiência para Bacharel em Ciências Contábeis de 2011.1.

1- Uma indústria apresenta os seguintes dados:

Aluguel de setor administrativo
R$
80.000,00
Aluguel do setor de produção
R$
56.000,00
Depreciação da área de produção
R$
38.000,00
Mão de Obra Direta de produção
R$
100.000,00
Mão de Obra Direta de vendas
R$
26.000,00
Material requisitado: diretos
R$
82.000,00
Material requisitado: indiretos
R$
70.000,00
Salários da diretoria de vendas
R$
34.000,00
Seguro da área de produção
R$
38.000,00

Analisando-se os dados acima, assinale a opção CORRETA.

1.    O custo de transformação da indústria totalizou R$302.000,00, pois o custo de transformação é a soma da mão de obra direta e custos Indiretos de fabricação.
2.    O custo do período da indústria totalizou R$444.000,00, pois o custo da empresa é a soma de todos os itens de sua atividade.
3.    O custo do período da indústria totalizou R$524.000,00, pois o custo da empresa é a soma de todos os itens apresentados.
4.    O custo primário da indústria totalizou R$208.000,00, pois o custo primário leva em consideração a soma da mão de obra e do material direto. 

Resolução:

Devemos primeiro identificar o tipo de gasto para depois somar conforme as opções.

Aluguel de setor administrativo
R$
80.000,00
Despesa
Aluguel do setor de produção
R$
56.000,00
Custo Indireto
Depreciação da área de produção
R$
38.000,00
Custo indireto
Mão de Obra Direta de produção
R$
100.000,00
  Custo direto
Mão de Obra Direta de vendas
R$
26.000,00
Despesa
Material requisitado: diretos
R$
82.000,00
Custo direto
Material requisitado: indiretos
R$
70.000,00
Custo indireto
Salários da diretoria de vendas
R$
34.000,00
Despesa
Seguro da área de produção
R$
38.000,00
Custo indireto

Agora já podemos saber responder à questão. 

Sendo o custo de transformação a soma da mão de obra direta + os custos indiretos de fabricação, então, dos custos diretos, devem ficar de fora o custo com materiais diretos e as despesas, ficando somente os de vermelho fazendo parte parte, totalizando R$ 302.000.


2 - Uma fábrica de camisetas produz e vende, mensalmente, 3.500 camisetas ao preço de R$5,00 cada. As despesas variáveis representam 20% do preço de venda e os custos variáveis são de R$1,20 por unidade. A fábrica tem capacidade para produzir 5.000 camisetas por mês, sem alterações no custo fixo atual de R$6.000,00. Uma pesquisa de mercado revelou que ao preço de R$4,00 a unidade, haveria demanda no mercado para 6.000 unidades por mês.

Caso a empresa adote a redução de preço para aproveitar o aumento de demanda, mantendo a estrutura atual de custos fixos e capacidade produtiva, o resultado final da empresa:

1.    Aumentará em R$2.200,00.
2.    Aumentará em R$200,00.
3.    Reduzirá em R$3.500,00.
4.    Reduzirá em R$800,00.

Resolução:
Receita                              17.500
Custo variável                    (4.200)
Despesa variável                (3.500)
Margem de contribuição   9.800
Gastos Fixos                       (6.000)
Resultado                            3.800

Para a receita, multiplica-se o valor unitário de R$ 5 pela quantidade de 3.500 vendidas. A despesa variável é 20% de 3.500.
Receita                              20.000
Custo variável                    (6.000)
Despesa variável                (4.000)
Margem de contribuição 10.000
Gastos Fixos                       (6.000)
Resultado                            4.000

Para a receita, multiplica-se o valor unitário de R$ 5 pela quantidade de 5.000 vendidas. São 5.000 e não 6.000 porquê, embora haja essa demanda, mas, deve ser observada a capacidade produtiva. Já a despesa variável é 20% de 5.000.


O resultado terá R$ 200 a mais.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares