Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Demonstração de Fluxos de Caixa

Fluxo de caixa diz respeito às entradas e saídas de dinheiro do caixa e equivalentes de caixa de uma empresa em determinado exercício social e são apresentados pela Demonstração de Fluxos de Caixa.

Mas, antes de tudo, é preciso entender o que é considerado caixa.  Para a Demonstração de Fluxos de Caixa (DFC), caixa compreende o saldo da conta caixa, saldo na conta banco e também daquelas aplicações financeiras de liquidez imediata (Prazo igual ou inferior a 90 dias).

A Demonstração de Fluxos de Caixa, pela Lei das S/A está prevista no artigo 176 e foi incluída pela alteração dessa lei, a lei 11.638/07. No entanto, por essa lei, a obrigatoriedade de apresentação fica para as Sociedades de capital aberto, ficando as de capital fechado a seu critério, desde que na data do balanço o seu Patrimônio Líquido seja inferior a R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais), caso contrário, também deverá apresentar essa Demonstração.

Já o CPC 03(R2) em seu item 3 requer que esse demonstrativo seja apresentado por todas as entidades.

Quando utilizada em conjunto com outros demonstrativos, permite aos usuários avaliarem além de outras situações, as possibilidades abaixo:

  • A capacidade de a empresa gerar futuros fluxos líquidos positivos de caixa;
  • A capacidade de a empresa honrar seus compromissos, pagar dividendos e retornar empréstimos obtidos;
  • A liquidez, solvência e flexibilidade financeira da empresa;
  • A taxa de conversão de lucro em caixa;
  • A performance operacional de diferentes empresas, por eliminar os efeitos de distintos tratamentos contábeis para as mesmas transações, etc.
Essa Demonstração pode ser elaborado por dois métodos, Direto e Indireto.

Quanto a apresentação dos fluxos de caixa das atividades operacionais:

Método Direto => divulgação das principais classes de recebimentos e pagamentos;

Método Indireto=>  inicia-se pelo lucro líquido ou prejuízo ajustado em relação aquelas transações que não envolvem caixa, diferimentos, apropriações por conta da competência sobre recebimentos de caixa ou pagamentos em caixa, seja passados ou futuros. O item 18 do CPC 03(R2) diz ainda que faz parte dos ajustes, os efeitos de itens de receita ou despesa associadas com fluxo de caixa das atividades de investimentos ou de financiamento.

Demonstração de Fluxos de Caixa


De acordo com artigo 188 da lei 6.404, como fluxo de caixa dentro de um determinado exercício envolve as alterações ocorridas no saldo de caixa e equivalentes de caixa, uma Demonstração de Fluxos de caixa deve separar e apresentar essas informações em pelo menos 3 fluxos, que são:

  1. das operações; (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007)
  2. dos financiamentos; e (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007)
  3. dos investimentos; (Redação dada pela Lei nº 11.638,de 2007).
O que esses fluxos representam?

Atividades Operacionais => Como já temos visto em outras oportunidades, a palavra operacionais nos lembra daquilo que faz parte da essência da empresa, ou seja, engloba aquelas atividades a que se propõe a fazer para gerar receita para a empresa e outras atividades que diferenciam-se de atividades de investimentos e de financiamentos.

Atividades de Investimento => Nesse fluxo estão incluídas tanto compras como vendas de ativos de long prazo e outros tipos de investimentos, porém, todos diferem ou não enquadram em equivalentes de caixa.

Atividades de Financiamento => Mesmo sendo realizado para investimento na empresa, não se confunde com atividades operacionais. Sua realização implica alteração tanto no tamanho como na composição do capital próprio e no endividamento.

Para mais informações sobre as definições de caixa e equivalentes, ver os os itens 6, 7 e 8 do CPC 03(R2).

Exemplos que se relacionam com essas Atividades segundo o CPC 03(R2)

Atividades Operacionais - item 14 do CPC 03(R2):

  • recebimentos de caixa pela venda de mercadorias e pela prestação de serviços;
  • recebimentos de caixa decorrentes de royalties, honorários, comissões e outras receitas;
  • pagamentos de caixa a fornecedores de mercadorias e serviços;
  • pagamentos de caixa a empregados ou por conta de empregados;
  • recebimentos e pagamentos de caixa por seguradora de prêmios e sinistros, anuidades e
    outros benefícios da apólice;
  • pagamentos ou restituição de caixa de impostos sobre a renda, a menos que possam ser
    especificamente identificados com as atividades de financiamento ou de investimento; e
  • recebimentos e pagamentos de caixa de contratos mantidos para negociação imediata ou
    disponíveis para venda futura.
Atividades de Investimento - item 16 do CPC 03(R2):

  • pagamentos em caixa para aquisição de ativo imobilizado, intangíveis e outros ativos de
    longo prazo. Esses pagamentos incluem aqueles relacionados aos custos de
    desenvolvimento ativados e aos ativos imobilizados de construção própria;
  • recebimentos de caixa resultantes da venda de ativo imobilizado, intangíveis e outros
    ativos de longo prazo;
  • pagamentos em caixa para aquisição de instrumentos patrimoniais ou instrumentos de
    dívida de outras entidades e participações societárias em joint ventures (exceto aqueles
    pagamentos referentes a títulos considerados como equivalentes de caixa ou aqueles
    mantidos para negociação imediata ou futura);
  • recebimentos de caixa provenientes da venda de instrumentos patrimoniais ou
    instrumentos de dívida de outras entidades e participações societárias em joint ventures
    (exceto aqueles recebimentos referentes aos títulos considerados como equivalentes de
    caixa e aqueles mantidos para negociação imediata ou futura);
  • adiantamentos em caixa e empréstimos feitos a terceiros (exceto aqueles adiantamentos
    e empréstimos feitos por instituição financeira);
  • recebimentos de caixa pela liquidação de adiantamentos ou amortização de empréstimos
    concedidos a terceiros (exceto aqueles adiantamentos e empréstimos de instituição
    financeira);
  • pagamentos em caixa por contratos futuros, a termo, de opção e swap, exceto quando
    tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou futura, ou os pagamentos
    forem classificados como atividades de financiamento; e
  • recebimentos de caixa por contratos futuros, a termo, de opção e swap, exceto quando
    tais contratos forem mantidos para negociação imediata ou venda futura, ou os
    recebimentos forem classificados como atividades de financiamento.
Atividades de Financiamento - item 17 do CPC 03(R2):

  • Caixa recebido pela emissão de ações ou outros instrumentos patrimoniais;
  • pagamentos em caixa a investidores para adquirir ou resgatar ações da entidade;
  • caixa recebido pela emissão de debêntures, empréstimos, notas promissórias, outros
    títulos de dívida, hipotecas e outros empréstimos de curto e longo prazos;
  • amortização de empréstimos e financiamentos; e
  • pagamentos em caixa pelo arrendatário para redução do passivo relativo a arrendamento
    mercantil financeiro.
Praticando:

Questão do exame de Suficiência para Bacharel em Ciências Contábeis de 2011.1.

Questão 1

Uma sociedade empresária apresentou, no exercício de 2010, uma variação positiva no saldo de caixa e equivalentes de caixa no valor de R$18.000,00. Sabendo-se que o caixa gerado pelas atividades operacionais foi de R$28.000,00 e o caixa consumido pelas atividades de investimento foi de R$25.000,00, as atividades de financiamento:


a)     Geraram um caixa de R$21.0000,00.
b)     Consumiram um caixa de R$15.000,00.
c)     Consumiram um caixa de R$21.000,00.
d)     Geraram um caixa de R$15.000,00.


Resolução:

Variação de 18.000
Atividade operacional 28.000
Atividade Investimento (25.000)
Ativ. de Financiamento ?

28.000 – 25.000 + x = 18.000
X = 18.000 – 28.000 + 25.000
X = 15.000


Questão 2

O auditor realizou uma contagem física no caixa da empresa auditada. Considerando que nessa data o saldo anterior existente era de R$100.000,00 e, levando em consideração os eventos após a contagem, o CORRETO valor do saldo final do caixa da empresa é de: 

Eventos:

-  Pagamento de duplicata de um determinado fornecedor, efetuado por meio de cheque no valor de R$57.000,00. 
-  Recebimento de duplicatas em carteira no valor de R$72.000,00, acrescido de juros por atraso de 2%. 
-  Pagamento em dinheiro de despesas diversas no valor de R$21.900,00. 
-  Pagamento em dinheiro de serviços terceirizados no valor de R$51.000,00.

      a.  R$27.100,00.
b.    R$43.540,00.
c.    R$100.540,00.
d.    R$173.440,00.

Resolução:

Nesse caso, deve-se observar quais transações afetaram o caixa. Percebe-se que das 4 transações ocorridas, apenas a primeira, que foi em cheque e que supostamente tenha sido para uma data a frente não afetou o caixa.


Das outras 3 que afetaram o caixa, deve-se dar uma atenção maior à segunda transação, pois, além do recebimento dos R$ 72.000, houve também 2% sobre esse valor, recebido pela empresa.


Veja um exercício completo com a Demonstração de Fluxo de Caixa pelo Método Indireto
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares