Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Contabilização das operações com mercadorias

Por enquanto vamos fazer a contabilização de mercadorias sem considerar a incidência de impostos e nem outros fatos que alteram as vendas, ficando essa parte mais para frente.

Veja aqui o nosso Balanço Patrimonial antes das operações que faremos com mercadorias:

Operações com mercadorias


Contabilização de mercadorias

Esses valores em parênteses, na contabilidade, aparecem reduzindo a conta a que se referem.
Vamos supor que  no final do ano de 2014 a Empresa M Oliveira Contabilidade possuía um estoque final de 30 unidades a R$20,00 totalizando R$ 600,00 como mostrado no balanço acima. Durante o ano de 2015 realizou as seguintes operações com mercadorias.
  1. Compra de 100 unidades de Mercadorias no valor de R$20 cada uma, a prazo;
  2. Compra de 400 unidades de Mercadorias no valor de R$35, faturado;
  3. Venda de 200 unidades de Mercadorias a R$40 cada uma, faturada;
  4. Venda de 210 unidades de Mercadorias a R$50 cada uma, faturada;
  5. Venda de 100 unidades de Mercadorias por R$45, faturada.
Para apurar o CMV (Custo de Mercadorias Vendida), utiliza-se da fórmula:

CMV = EI + C - EF

Onde:
CMV = Custo das Mercadorias Vendidas;
EI = Estoques Inicial
C = Compras
EF = Estoque Final (obtido por processo de inventário, contagem, no último dia do período)

Porém, usaremos uma ficha para Inventário Permanente utilizando o critério PEPS (primeira que entra é a primeira que sai). A apuração do CMV será contabilizando primeiro os estoques mais antigos:

Custo da 1ª venda =>  200 unidades = (130 * R$20) + (70 * R$35) = R$5.050 (vendemos 200 unidades, porém haviam 30 unidades antigas a R$ 20 e, havíamos comprado mais 100 unidades também  a R$ 20, totalizando 130 unidades a R$20 e, as outras 70 unidades, já tivemos que pegar das 400 uni a R$35, restando agora 330 uni a R$ 35)

Custo da 2ª venda => 210 unidades = (210 * R$35)  = R$7.350 (aqui, todas custaram R$ 35 cada, pois não tínhamos mais mercadorias das antigas e o mesmo caso para a terceira venda, lembrando que aqui é o cálculo do preço de custo, pois a venda é feita pelo preço que está no problema) 

Custo da 3ª venda  ==>100 unidades = (100 x R$35) = R$3.500.
Já vamos aqui nos familiarizando com a ficha de estoque, pois, a mesma é muito importante para se trabalhar com Inventário Permanente, onde as mercadorias são contadas imediatamente após a entrada ou a baixa do estoque.


Contabilização das operações com mercadorias

Essa ficha contará as mercadorias imediatamente as suas entradas e ou saídas, nos fornecendo o CMV, que é a soma dos custos nessas vendas, R$ 15.900,00 e também nos mostra o saldo final do estoque, tanto monetário R$ 700,00, quanto em unidades, ou seja, 20 unidades a R$ 35 cada.
Lembrando que depois de todos os lançamentos, o nosso razonete de estoque tem que ter seu saldo igual ao da ficha de estoque.


Vamos ver os lançamentos nos razonetes:


Contabilização das operações com mercadorias-1

Antes de explicar os lançamentos, lembro que tanto a conta dentro Patrimônio Líquido como a conta Resultado com mercadorias estão aí somente para efeito de saber o que aconteceu com essas contas no final do período, mas, que durante as operações, somente aquelas contas que estão dentro da parte em vermelho foram as que receberam esses lançamentos.

Lembre-se das partidas dobradas ao fazer os lançamentos

1 - Compra a prazo, por isso creditamos fornecedores e não a Conta Banco Movimento. A contrapartida dessa compra foi o débito (entrada no ativo) no estoque ------ R$ 2.000.

2 - Compramos a prazo, creditando fornecedores e debitando estoque--------R$ 14.000

3 - Vendemos a prazo, onde debitamos cliente (ativo) e creditamos Receita (conta de resultado) -------- R$ 8.000.

4 - Baixar o estoque pelas mercadorias vendidas e entregues. Debita-se CMV (custo das mercadorias Vendidas (conta de resultado e vai para DRE) e credita-se estoque (saída do ativo)-----R$ 5.050.

5 - Venda a prazo. Debita-se cliente e credita-se Receita ------ R$ 10.500.

6 - Baixa nos estoque. Debita-se CMV e credita-se  estoque ----------R$ 7.350.

7 - Venda a prazo. Debita-se cliente e credita-se  Receita ------R$ 4.500.

8 - Baixa dos estoques. Debita-se CMV e credita-se estoque------R$ 3.500.

Veja que o valor das vendas aparecem na RECEITA. O RCM (Resultado com Mercadorias) confronta CMV e RECEITA. O seu saldo que é lucro de R$ 7.100, foi levado para o Patrimônio Líquido que, confrontado com aqueles R$ 1.500 negativos do último Balanço nos deixou agora sem prejuízo e com saldo positivo de R$ 5.600.

Já o saldo bancário permaneceu inalterado porque todas as vendas e compras foram a prazo e não houve outro fato que fosse preciso mexer na conta banco.

Com isso, depois das movimentações feitas em Mercadorias, duplicatas a receber/clientes, pelo ATIVO e também duplicatas a pagar e transferência do saldo dessas operações para lucros ou prejuízos pelo lado do passivo, nosso total de ATIVOS e PASSIVOS se batem, ou seja, em RS 40.200,00.

Comparando o Balanço de 2014 com o Balanço de 2015, percebemos que após essas movimentações com mercadorias, tanto aumentou o Patrimônio como o saldo que era negativo do PL, ficando positivo. Todas as contas em que houve alteração em 2015 estão em negrito.

Não alterei as contas empréstimos e nem financiamentos porque eu falei que era operações com mercadorias. Mas, na prática, essas duas contas transferir para o curto prazo as parcelas que iriam ser pagas dentro de 2015.

Operações com mercadorias

Para finalizar, mais algumas informações :

Agrupamentos de Contas

  • Conciliação dos saldos contábeis; (como foi feita acima nos razonetes;
  • Ajustes e reclassificações patrimoniais;
  • Classificação das contas patrimoniais;
  • Apuração das contas de resultado;
  • Transferência dos saldos para lucro, reservas, provisões, etc. (como fizemos ao pegar o saldo do período e levarmos para confrontar com o saldo de prejuízos, que antes era devedor em R$ 1.500 e que depois ficou positivo em R$ 5.600).
Regime de Competência e de Caixa

Adotado na contabilidade de qualquer empresa de cunho particular. A contabilidade nas unidades públicas tem a sua elaboração com base, parte pelo regime de caixa e parte pelo regime de competência.

Nas Organizações particulares, o Regime de competência direciona os lançamentos contábeis, bem como, o reconhecimento dos fatos geradores das mutações patrimoniais e os procedimentos que envolvem o encerramento do exercício e ainda, a apuração do Resultado, Balanço Patrimonial e demais Demonstrativos.

Diz o Regime da competência que o registro da operação (reconhecimento contábil) se dá na data da ocorrência do fato gerador ou seja, na data da sua efetiva ocorrência, independentemente do pagamento ou do recebimento. Por exemplo, os salários dos funcionários do mês de julho que serão efetivamente pagos em agosto, mas, tenho que reconhecer no momento em que foi gerado, em uma conta no PASSIVO chamada SALÁRIO A PAGAR.

Encerramento do Exercício

É de fundamental importância,  a correta estruturação dos sistemas de informações contábeis e a produção de relatórios de tudo que aconteceu dentro do período e que alteraram o Patrimônio, contendo nesses relatórios os fatos geradores, conforme os ditames das normas e procedimentos contábeis e seus princípios, bem como, da regulamentação comercial, societária e tributária.

Esses relatórios dão consistência à finalização de períodos ou exercício e assim, a contabilidade cumpre de forma efetiva com as suas funções de controle e geração de demonstrativos evidenciando os ciclos a que se referem.

Procedimentos de Encerramento do Exercício:

  • Devem ser apurado os saldos das Contas do Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido.
  • Deverá antes, fazer os ajustes em=> provisões, depreciações e amortizações, destinações, ajustes de saldos e de exercícios anteriores, ajustes a valor presente, etc.
  • As Contas de Resultado precisam ser encerradas=>Receitas, Custos e Despesas do período. Seus saldos transferidos para uma conta chamada de Apuração de Resultado do Exercício, que dará origem à DRE – Demonstração do Resultado do Exercício.
  • Apuração do Balancete de Verificação.
  • Apuração do Balanço Patrimonial, DRE e outros Demonstrativos obrigatórios pela Legislação.
Mais a frente veremos fatos que alteram as vendas e incidência de impostos.


Praticando:

Questões do exame de Suficiência para Bacharel em Ciências Contábeis de 2016.2.

10. Uma Sociedade Empresária adquiriu, a prazo, mercadorias para revenda pelo valor total de R$25.000,00. Nesse valor, estão incluídos R$ 4.250,00 relativos a ICMS Recuperável. 

O transporte das mercadorias, no valor de R$ 2.000,00, foi pago pela empresa vendedora, sem reembolso pela adquirente.  

A Sociedade Empresária apura PIS e Cofins pelo Regime de Incidência Não Cumulativo.
                 
Considerando-se o disposto na NBC TG 16 (R1) – Estoques, e que as alíquotas a serem utilizadas para cálculo do valor recuperável de PIS e Cofins no Regime de Incidência Não Cumulativo são, respectivamente, 1,65% e 7,6%, o Custo de Aquisição das mercadorias é de:


a)  R$18.437,50.
b)  R$18.830,62. 
c)  R$20.437,50.
d)  R$20.830,62.

 Resolução:

Como o frete foi pago pelo vendedor e não deve ser reembolsado, então, não o que se falar sobre esse frete.

O ICMS já está incluso, como foi dito no enunciado. Porém, a base de cálculo para PIS e COFINS continua sendo o valor cheio, ou seja, de R$ 25.000.

Compra                                  25.000
(-) ICMS                                (4.250)
(-) PIS (1,65% *25.000)          (412.50)     
(-) COFINS (1,65% *25.000)   (1.900)              


 O custo a debitar no estoque é de R$ 18.437,50

Praticando:

Questões do exame de Suficiência para Bacharel em Ciências Contábeis de 2011.1.

1 - Uma sociedade empresária realizou as seguintes aquisições de produtos no primeiro bimestre de 2011:

3.1.2011
40 unidades a R$30,00
24.1.2011
50 unidades a R$24,00
1.2.2011
50 unidades a R$20,00
15.2.2011
60 unidades a R$20,00
Sabe-se que:

·         A empresa não apresentava estoque inicial.
·         No dia 10.2.2011, foram vendidas 120 unidades de produtos ao preço de R$40,00 cada uma.
·         Não será considerada a incidência de ICMS nas operações de compra e venda.
·         O critério de avaliação adotado para as mercadorias vendidas é o PEPS.  

O Lucro Bruto com Mercadorias, a quantidade final de unidades em estoque e o valor unitário de custo em estoques de produtos, no dia 28.2.2011, são de:
             
a)     R$1.800,00 e 80 unidades a R$20,00 cada.
b)     R$1.885,71 e 80 unidades a R$24,29 cada.
c)     R$1.980,00 e 80 unidades a R$23,50 cada.
d)     R$2.040,00 e 80 unidades a R$23,00 cada.

Resolução:


Vendeu as primeiras 90 unidades adquiridas pelo seu custo de 30 e 24 cada, totalizando R$ 2.400. Vendeu mais 30 uni a custo de 20, da terceira compra, custando R$600 e totalizando custo de R$ 3.000. A receita foi de R$ 4.800. Deduzindo o custo fica R$ 1.800.


Restaram 20 unidades da terceira compra + as 60 unidades da quarta compra, totalizando 80 unidades a 20 reais.

2 - De acordo com os dados abaixo e sabendo-se que o Estoque Final de Mercadorias totaliza R$350.000,00, em 31.12.2010, o Resultado Líquido é de:



                               Contas                             
Valor
Caixa                                                    R$
80.000,00
Capital Social                                        R$
50.000,00
Compras de Mercadorias                     R$
800.000,00
Depreciação Acumulada                      R$
65.000,00
Despesas com Juros                            R$
110.000,00
Despesas Gerais                                  R$
150.000,00
Duplicatas a Pagar                               R$
355.000,00
Duplicatas a Receber                           R$
140.000,00
Estoque Inicial de Mercadorias   R$
200.000,00
Móveis e Utensílios                               R$
70.000,00
Receita com Juros                               R$
80.000,00
Receitas com Vendas                              R$ 1.000.000,00

      
a)     R$170.000,00.
b)     R$240.000,00.
c)     R$350.000,00.
d)    R$390.000,00.

Resolução:

1º = Descobrir o CMV
CMV = 200.000 + 800.000 – 350.000
CMV = 650.000

2º Iniciar pela receita de vendas e continuar subtraindo e ou adicionando, conforme vá encontrando contas de resultado.

Receita de vendas           1.000.000
CMV                                   (650.000)
Lucro Bruto =                     350.000
Despesas Gerais                 (150.000)
Lucro Operacional             200.000
Despesas com Juros          (110.000)
Receita com Juros                   80.000

Resultado Líquido                170.000




Praticando:

Questão do exame de Suficiência para Bacharel em Ciências Contábeis de 2011.1.

3 - O comprador de uma indústria tem a opção de compra de 5.000kg de matéria prima por R$2,00 o quilo, à vista, ou R$2,20 o quilo, para pagamento em dois meses. Em ambos os casos, incidirá IPI à alíquota de 10% e ICMS à alíquota de 12%, recuperáveis em 1 (um) mês. Considerando uma taxa de juros de 10% ao mês, a melhor opção de compra para a empresa é:

a) à vista, pois resulta em valor presente de R$9.000,00, enquanto a compra a prazo resulta em valor presente de R$9.900,00.
b) à vista, pois resulta em valor presente de R$8.800,00, enquanto a compra a prazo resulta em valor presente de R$9.680,00.
c) a prazo, pois resulta em valor presente de R$8.000,00, enquanto a compra à vista resulta em valor presente de R$9.000,00.
d) a prazo, pois resulta em valor presente de R$7.800,00, enquanto a compra à vista resulta em valor presente de R$9.000,00.

1º Caso

5.000 * 1 = 10.000
IPI = 10.000 * 10% = 1.000
ICMS = 10.000 * 12* = 1.200
Total de impostos = 2;200

Detalhe: o IPI incide por fora, devendo ser somado aos 10.000, elevando o valor da compra a vista para R$ 11.000.

Como a compra é a vista, devemos trazer a valor presente apenas os impostos, pois, eles são recuperáveis em um mês.

PV = 2.200    
        (1+0,10)1

VP = 2.000

Então, o valor que iria para o estoque seria de R$ 9.000 (11.000 – 2.000).

2º Caso

5.000 * 2,20 = 11.000
IPI = 11.000 * 10% = 1.100
ICMS = 11.000 * 12% = 1320
Total de impostos = 2.420

Nesse caso, teremos que trazer a valor presente tanto os impostos como o valor da compra, uma vez que, está incidindo juros sobre este, por ser a prazo (dois meses).

Valor da compra a prazo sair por R$ 12.100 (11.000 + 1.100 de IPI)

Valor da compra a VP.

PV = 12.100    
        (1+0,10)2

PV = 12.100  
            1,21

VP = 10.000

Valor dos impostos a VP. (Lembrando que para os impostos, o período é apenas 1, ou seja, um mês).

PV = 2.420  
      (1+0,10)1

PV = 2.200

Então, o valor que iria para o estoque seria de R$ 7.800 (10.000 – 2.2000).

A compra a prazo seria mais vantajosa.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares