Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Financiamento a pagar de curto prazo pre - fixado

Assim como foi na aplicação prefixada, também será neste tipo de empréstimo quanto a saber no mesmo dia da transação, qual será o montante dos encargos referentes aos juros e à correção monetária incidente sobre a operação.

Contabilização de Empréstimo


Exemplo:
A Empresa M Oliveira Contabilidade contratou um empréstimo de R$30.000 junto à uma Instituição Financeira para pagamento em 3 parcelas iguais, à taxa mensal de 4% ao mês.

Empréstimo - fórmula para cálculo das parcelas
Acontece que, calculando as parcelas a partir do valor total, R$ 30.000 pela fórmula de financiamento, ficariam em 3 prestações de R$ 10.810,46.

PV = PMT . [(1 + i )-1 /  i . (1 + i )n]

Essa fórmula é para calcular o valor da prestação, sendo nesse caso, o seguinte:
  • PV => valor presente = 30.000;
  • PMT = Valor da parcela?
  • i => taxa de 4% (nominal);
  • n => 3 (período de 3 meses)
30.000 = PMT . [(1 + 0,04 )-1 /  0,04 . (1 + 0,04 )3]
30.000 = PMT . [(1,04 )-1 /  0,04 . (1,04 )3]
30.000 = PMT . [(1,1249 -1 /  0,04 . 1,1249]
30.000 = PMT . [0,1249 / 0,0450]
30.000 = PMT . [2,7756]
PMT = 30.000 / 2,7756
PMT = R$ 10.810,46 aproximadamente, dependendo dos arredondamentos.

Esse seria o provável valor das parcelas.

Mas na verdade, ao ter o valor liberado em nossa conta corrente, percebemos que o valor recebido líquido de custos de transação financeira foi de R$ 29.400 (Vai ser o novo PV - Valor presente).

Logo, usaremos esse valor recebido em nossa conta, R$ 29.400, para encontrarmos a taxa efetiva, utilizando-se da mesma fórmula acima. Porém, a parcela já encontrada anteriormente e sendo esta a que vamos ficar pagando, de R$ 10.810,46, também utilizada no lugar de PMT da fórmula.

Após procurarmos a taxa efetiva utilizando essa fórmula e com o valor presente (PV) de 29.400, tempo = 3, parcelas R$ 10.810,46, encontraremos uma taxa efetiva de 5,07% ao mês.
Com isso, podemos começar a preencher nossa planilha.

  Encargos Financeiros
DataSaldo InicialDesp. Juros TotalDespesas de jurosAmortização CTPagamento Saldo Final
029.400,0029.400,00
129.400,001.490,581.200,00290,5810.810,4620.080,12
220.080,121.018,06815,58202,4810.810,4610.287,72
310.287,72521,59415,79105,8010.810,46-1,15
Total3.030,232.431,37598,8632.431,38

Entendendo os cálculos do pagamento do financiamento:

Essa diferença de R$ - 1,15 se deu por conta dos arredondamentos, mas será insignificante.

Embora tenha-se que pagar as despesas de transação, os R$ 600, ou R$ 598,86 e que na verdade já foram descontadas no ato do empréstimo, mesmo assim elas deverão ser registrada em um conta do PASSIVO como débito, retificando o empréstimo a pagar e irmos apropriando conforme as prestações vão sendo pagas.

Nessa planilha acima, iniciamos o saldo devedor pelo valor que nos foi creditado na conta corrente.

Acontece que, para esse primeiro mês, as Despesas de juros totais sobre os R$ 29.400 são de 1.490,58, referente à taxa efetiva de 5,07%. Na coluna de juros esses 1.200 e mais o restante de sua coluna refere-se aos 4% ao mês sobre os 30.000 e em cada saldo devedor.

  • 30.000,00 * 4% = 1.200 =>somando = 31.200 - 10.810,40 = 20.389,54
  • 20.389,54 * 4% =  818,58=> somando = 21.205,12 - 10.810,46 = 10.394,66
  • 10.394,66  * 4% = 415,79 => somando = 10.810,45 - 10.810,46 =0.
Já a amortização do custo de transação resulta da diferença de despesas com juros totais (5,07% sobre o valor líquido que recebemos na conta corrente) e os juros nominais (4% sobre os 30.000 e seu saldo devedor a cada período).

Para a formação do novo saldo devedor na planilha, pega-se, por exemplo, a saldo devedor inicial somado aos juros totais e deduzido a parcela. Veja o exemplo da linha do mês 1:

29.400,001.490,5830.890,58- 10.810,46= 20.080,12

Donde, os 20.080,12 será o saldo devedor no mês 2 e que se somará aos juros totais antes de ser deduzida a segunda parcela.
Então, vejamos como, de início, se deram os lançamentos quando do recebimento do empréstimo em nossa conta corrente:

D - Banco -----------------------------------29.400,00
D - Custos de transação a amortizar ---------600,00 
C - Financiamento a pagar --------------- 30.000,00

Lembrando que temos aí um débito na conta Banco (ativo) e, no PASSIVO temos dois lançamentos, um débito e um crédito. O crédito, sabemos que é o empréstimo a pagar no valor de R$ 30.000, mas, sabemos também que lá na nossa conta só entraram R$ 29.400, isso por causa dos custos de transação que descontados no momento do empréstimo, mas como iremos apropriando conforme os pagamentos, então, registramos no passivo, porém, retificando o porquê desses 30.000 aí e os 29.000,00 lá no ativo.

Só pra mostrar como ficariam esse dois últimos lançamentos aí no PASSIVO quando do Balanço Patrimonial, ficaria assim:

Passivo Circulante:
  • Financiamento a pagar ----------------30.000,00
  • (-) Custo de transação a amortizar -----(600,00)
Chegando ao momento de pagar a primeira parcela, vamos fazer os lançamentos utilizando os valores já prontos lá da planilha acima:

Pela apropriação de juros (Conta de resultado e conta do passivo)

D - Despesas com juros --------------------- 1.200,00
C - Financiamento a pagar -------------------1.200,00
Pela apropriação de custos de transação:
D - Despesas com custo de transação ----------- 290,58
C - Custo de transação a amortizar --------------290,58

Nesses lançamentos acima, os juros irão aumentar o valor da conta empréstimo a pagar, enquanto o custo de transação vai creditar a conta custo de transação a amortizar, até zerar, após a terceira parcela.

Por fim, quando do pagamento da parcela que o banco vai descontar lá em nossa conta corrente, os lançamentos contábeis dentro da empresa vai ser a seguinte:
D - Empréstimo a pagar ---------------------- 10.810,46
C - Banco conta movimento -------------------10.810,46

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares