Contabilidade e Matemática para Negócios e Concursos

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Aplicações Financeiras Pós-fixadas

Embora sejam calculados da mesma forma que no pre-fixado, nesses tipos de aplicações financeiras, somente no dia de seu resgate ou a cada mês, quando há divulgação dos indicadores de juro e correção, é que sabemos quanto ganhamos pelas aplicações financeiras (o extrato da aplicação mensal revela o rendimento alcançado).

Aplicações Financeiras Pós-fixadas


Tratamento Contábil


  • Aplicação: Aplicações financeiras (conta do Ativo);
  • Juros: Receita Financeira ( Juros Recebidos de Aplicações);
  • Correção: Correção Monetária ( Correção Monetária de Aplicações).
Exemplo: 
Vamos imaginar que daquele saldo final que tínhamos na Conta Banco Movimento (Artigo passado - Aplicações Pre Fixadas), ou seja, R$304.020, vamos aplicar os R$ 300.000 em uma aplicação com rendimento Pós-fixado, por 2 meses, com o rendimento mensal discriminado conforme abaixo:
  1. Primeiro mês: 1,2%, sendo 1% de juros e 0,2 de correção monetária;
  2. Segundo mês: 1,4%, sendo 0,9% de juros e 0,5% de correção monetária.
(1) Início da aplicação:
D - Aplicação financeira -------- -------300.000,00
C - Conta Banco Conta Movimento ---300.000,00
(2) Agora que se passou um mês do dia da aplicação, ou seja,transcorrido o Mês 1,  vamos ver como ficou:
  • Juros = 300.000 * 1/100 = 3.000;
  • C. Monetária. = 300.000 * 0,2/100 = 600.
D - Aplicação financeira -------- 3.600,00
C - Receita de juros recebidos de aplicação --- 3.000,00
C - Correção monetária  de aplicação --- 600,00

E assim fica após o mês 1 e sempre considerando aqui no exemplo que não houve outras movimentações no período e ainda desconsiderando a incidência de IRRF (Será visto mais na frente).
(3) Transcorrido o  segundo mês e lembrando que pode ser e pode não ser as mesmas taxas de remuneração, haja visto que no pós-fixado não tem como ficar sabendo antes. Sendo assim, as taxas de remuneração de um mês para outro já podem ter mudadas.

Perceba que logo no início foi dito o seguinte:

  1. Primeiro mês: 1,2%, sendo 1% de juros e 0,2 de correção monetária;
  2. Segundo mês: 1,4%, sendo 0,9% de juros e 0,5% de correção monetária.
Mas, foi para efeito de exercício, pois, na prática, não teríamos como saber qual seria as taxas futuras quando a aplicação é pós-fixada.

Lembrando que após juros e correção do capital no primeiro mês, o capital do investimento passou a R$ 303.600,00.

Então, chegado o segundo mês, é que saberíamos que seria de 1,4%, sendo 0,9% de juros e 0,5% de correção monetária. Então, vamos contabilizar:

  • Juros = 303.600 * 0,9/100 = 2.732,40;
  • C. Monetária. = 303.300 * 0,5/100 = 1.518,00.

D - Aplicação financeira -------- 4.250,40
C - Receita de juros recebidos de aplicação -------- 2.732,40
C - Correção monetária  de aplicação --- 1.518,00
Com isso, o valor do capital que antes desse segundo mês era de R$ 303.600,00 passou R$ 307.850,40.
Sempre lembrando que devemos ter apurado o resultado do último período, trazendo seu saldo final para ser o saldo inicial do período que será apurado.
(5) Finalmente vamos resgatar nosso título:

D - Conta Banco Conta Movimento ------- 307.850,40
C - Aplicação financeira -------- 307.850,40

Aplicações financeiras

Zeramos a conta aplicações financeiras ao lhe creditar o mesmo valor contido nela, transferindo seu valor para a Conta Banco Movimento.

Mais na frente esse mesmo exemplo será mostrado novamente, porém, com a incidência do IOF e o IRRF.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares